De onde vêm os nomes do que comemos: Maçã

De onde vêm os nomes do que comemos: Maçã

Se os frutos de que nos alimentamos fizeram um longo e retorcido percurso até serem o que hoje são, os nomes que lhes damos também têm histórias curiosas.

Matéria desenvolvida por José Carlos Fernandes para o  Observador, de Portugal, traz um pouco da contextualização histórica do cultivo da maçã e as origens de seu nome.

Maçã

É improvável que algum português (ou algum europeu) encare a maçã – o fruto da Malus pumila – como “exótica”, mas a verdade é que é originária da Ásia Central, mais precisamente do sopé da cordilheira de Tian Shan (na zona de fronteira entre o Cazaquistão, o Quirguistão e a China), onde ainda pode encontrar-se o seu antepassado “selvagem”, a Malus sieversii. Disseminou-se para Oriente e Ocidente e, na Roma do século I, o historiador Plínio o Velho já dava conta da existência de uma centena de variedades. A maçã espalhou-se pelo Império Romano, mas o colapso deste causou a perda das técnicas de enxertia da macieira, que só foram redescobertas no final da Idade Média. A sua expansão prosseguiu a partir daí em ritmo imparável e hoje estima-se que existam 20.000 variedades de maçã, das quais são cultivadas 7000.

A designação portuguesa e a espanhola, “manzana”, provêm de “malla mattiana” (“maçã de Mattius”)

A designação italiana, “mela”, e a romena, “mar”, vêm do latim “malum”, mas a portuguesa e a espanhola, “manzana”, provêm de “malla mattiana” (“maçã de Mattius”), o nome de uma variedade de maçã baptizada em honra de Gaius Matius, um nobre romano, amigo de Júlio César e Cícero, que se distinguiu como agrónomo e botânico e que poderá, ou não, ser o mesmo Gaius Matius que foi assessor de César Augusto.

Variedade Eureka Red, num catálogo de 1909 do Departamento de Agricultura dos EUA

A palavra francesa para maçã, “pomme”, que também designa um fruto em geral, tem origem latina, mas provém de “pomum”, também ela com o sentido genérico de fruto. A palavra portuguesa “pomada” vem da francesa “pommade”, que designava um unguento à base de maçã. A maçã tem sido frequentemente associada à saúde e à longevidade e servido de base à preparação de máscaras de beleza e a lendas em que desempenha o papel de fruto da eterna juventude (nomeadamente no Edda da mitologia nórdica).

Colheita da maçã em Éragny, por Camille Pissarro, 1888

O inglês “apple” vem do proto-germânico “aplu”, com o sentido genérico de fruto, que é também a origem do alemão “apfel”, do holandês “appel”, do dinamarquês “aeble”, do sueco “äpple”, do galês “afal”, e até do russo “jabloko” (que deu nome e logotipo a um partido político russo que faz oposição a Vladimir Putin).

O computador Macintosh, da Apple, foi buscar o seu nome a uma variedade de maçã, a McIntosh, desenvolvida no Canadá a partir de 1811, por John McIntosh; a maçã McIntosh começou a ser comercializada em 1835 e foi ganhando popularidade no Canadá, a ponto de se tornar na “maçã nacional” e atingir uma quota de mercado de 40% na década de 1960 – desde então foi destronada pela Gala e a sua quota caiu para 12%.

Variedade McIntosh, num catálogo de 1901 do Departamento de Agricultura dos EUA

Os nomes das variedades hoje mais populares – Fuji, Gala, Golden Delicious, Granny Smith, Idared, Jonagold, Pink Lady, Red Delicious, Starking – são nomes comerciais registados no final do século XIX e no século XX, mas algumas variedades têm origem mais antiga, como é o caso da reineta, que vem do francês “reinette”, a partir de “rainette”, termo surgido no século XVI, por analogia entre o padrão da casca da maçã e as manchas na pelagem de algumas rãs (“rainette”); depois, por influência de “reine” (rainha) a maçã converteu-se em “reinette”, sugerindo tratar-se da “rainha das maçãs”, pelo menos em dimensão (entretanto surgiu uma variedade chamada “reine des reinettes”).

Detalhe de “O Jardim do Éden” (1530), por Lucas Cranach, o Velho, mostrando o momento em que Adão prova o fruto da árvore do conhecimento

Embora a maioria das variedades tenham sido desenvolvidas nos EUA, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, o maior produtor mundial de maçãs é a China, responsável por 50% do total mundial, seguida pelos EUA e Turquia.

Fonte: https://observador.pt/especiais/de-onde-vem-os-nomes-do-que-comemos-parte-2-meloes-valencianos-e-pepinos-serpente/



← Voltar
2 Comentários
  • Maria Luiza Bechelli
    Postado às 11:46h, 19 junho Responder

    MUITO INTERESSANTE! GOSTEI CONHECER O HISTÓRICO E O TRAJETO DA MAÇA NA ANTIGUIDADE. E COMO O CONHECIMENTO DA FRUTA SE ESPALHOU PELO MUNDO! A MAÇA É MUITO APRECIADA PELO SEU PALADAR ADOCICADO. TEM UM DITADO QUE DIZ ASSIM: QUEM CO.ME UMA MAÇA POR DIA VIVERÁ 100 ANOS!

  • Maria Luiza Bechelli
    Postado às 11:53h, 19 junho Responder

    Eu gosto muito de maçã. Sempre tenho um pacote na geladeira. Ela auxilia em minha dieta alimentar.. Eu realmente como uma maçã por DIA E se o dito popular estiver certo logo chegarei aos 100 anos!

Comente