Guilherme Fontanella Sander, jovem agricultor do Vale do Sol, Brasil

Guilherme Fontanella Sander, jovem agricultor do Vale do Sol, Brasil

A entrevista do Good Fruit Grower do último mês é com Guilherme Fontanella Sander,  filho do Engº Agrº Renato Sander, da Associada ABPM Mareli Agropastoril Ltda.

Guilherme relata sua história na fruticultura elencando os desafios da cultura da maçã no Brasil.

 Matéria do Good Fruit Grower, de 27 de julho de 2018. 

Assista ao vídeo:

Guilherme cresceu trabalhando ao lado do pai Renato e da mãe Edna em pomares no sul do Brasil. Guilherme obteve seu mestrado em sistemas de treinamento de fruteiras e está cursando seu doutorado na Universidade do Estado de Santa Catarina.
Como você começou? 

Cerca de 14 anos atrás, meu pai comprou seu próprio pomar. Eu cresci andando com ele nos pomares. Agora estou buscando minha educação, trabalhando no meu Ph.D., e sinto que preciso ir além do que o meu pai.
Dessa forma, eu terei muitas informações combinadas com seu conhecimento prático para fazer referência cruzada e desenvolver bons resultados no campo. Eu viajei para aprender também. Eu estou procurando por conhecimento.

Como começou sua fazenda familiar?

Quando o pai começou, outros produtores não gostavam de sistemas de alta densidade; no entanto, ele estava pronto para olhar para frente. Ele não se importava se outros produtores não pensassem da maneira que ele fazia.
Quando as pessoas disseram que não gastariam dinheiro com estacas e fios, ele dizia: “Ei Gime (meu apelido), não ouça o que eles dizem. Olhe para frente – é o que está se fazendo em todo o mundo. Continue empurrando a previsão, faça o retorno mais rápido que o normal ”.

Em 2004, ele plantou um pomar em um sistema de alta densidade, colocando muito mais árvores por hectare do que o normal em nossa área. Dois anos atrás, ele alugou outro pomar antigo, planejando comprar e convertê-lo em um novo sistema.

Existem desafios para o cultivo de maçãs no Brasil?

Em geral, a produção de maçãs no Brasil é relativamente curta, cerca de 40 anos. A maioria dos produtores de maçã é de segunda ou terceira geração – não como os EUA com muitas famílias de quinta geração.  

No Brasil, temos o que é chamado de Triângulo, ou as três áreas onde podemos cultivar maçãs: Fraiburgo, São Joaquim e Vacaria.
Em Fraiburgo e Vacaria, temos solos profundos e livres de rochas. Em São Joaquim, temos algumas áreas planas, mas é principalmente colinas com solos rasos e muitas rochas. Na minha área de São Joaquim, o cultivo da maçã é tipicamente com porta-enxertos muito vigorosos para o cultivo de árvores nos solos difíceis.

Um dos porta-enxertos que usamos, chamado Marubakaido do Japão, é tradicionalmente um dos melhores da nossa região. As pessoas continuam plantando e estão aumentando lentamente as densidades. Nossa área não tem as melhores condições para cultivar maçãs; nós temos muitos problemas.

No inverno, não temos horas de frio suficientes, por isso, às vezes usamos quebra de dormência artificial. Às vezes, não temos a melhor qualidade de brotação.

Por que buscar seu Ph.D.?

Eu preciso ver muitas situações e verificar o que temos em nossa região e ver o que podemos fazer e desenvolver para o futuro. Há muitas coisas para verificar antes de planejar um novo pomar.
Estou aprendendo sobre sistemas de treinamento, quantos fios, quanto espaçamento usar, que tipo de porta-enxerto a plantar, com estacas ou sem estacas. No futuro, quero ser um consultor profissional e produtor.

Que desafios você vê em se tornar um consultor?

Produtores parecem não querer gastar dinheiro em fios e postes. Eles só querem plantar. É difícil fazer com que eles mudem sua cultura nessa área.
No entanto, alguns têm visto resultados positivos e estão pensando em mudanças. Às vezes, eles usam novos porta-enxertos, como o Malling 9, mas não usam todas as formas recomendadas para cultivá-lo.

Eles não prepararam o solo corretamente ou espaçaram as árvores corretamente. Se eles não plantassem M.9, um porta-enxerto não vigoroso, com espaçamento próximo em nosso solo raso, eles acabariam com problemas.

O que acontece é que quando algo não funciona, as pessoas boas começam a conversar umas com as outras: “Não use esse porta-enxerto. Será um problema para você no futuro. As árvores não crescem.

Essa mentira, quando é dita, muitas vezes se torna realidade para essa área em crescimento. Estas são as coisas que estou aprendendo, porque não quero ficar no passado.

O que você diria aos produtores mais jovens sobre o setor?

Pense no que você gostaria de fazer nos próximos 50 a 60 anos da sua vida. Se você decidir cultivar frutas, saiba que não é fácil.

Eu recomendo que você vá estudar, verifique que você quer ser um produtor, visite diferentes pomares em todo o mundo, se você puder, escolha uma área para trabalhar na indústria e depois comece seu próprio negócio com conhecimento. Primeiro conhecimento, depois crescer.



← Voltar
Sem comentários